Por Julio Adler

Por Julio Adler

Willian Cardoso, campeão aqui nos Açores em 2009, levanta os braços e celebra a vitória do seu camarada Tomas Hermes quase no mesmo lugar onde ele triunfou alguns anos antes.

A praia é outra, o extase é o mesmo – exceto pelo fato de Willian ter ganho um 6 Estrelas e hoje, sabado aqui nos Açores, Tomas Hermes venceu um Prime, 6.500 pontos, 40.000 Dólares.

Ninguém percebeu que Tomas venceria o Prime dos Açores.

Nem Adam Melling, nem Kolohe Andino.

Tomas é um desses surfistas que competem com frieza e inteligência.

Poucos podem dizer o mesmo. Muito poucos.

Ganhou tudo que podia no Brasil, amador e profissional, edita seus filmes, tem seu próprio site, articulado, casa-se em breve.

No caminho até a final, Tomas foi obrigado a bater alguns conterrâneos, Miguel Pupo e Filipe Toledo ficaram nas oitavas e quartas, respectivamente – os dois perderam de maneira muito parecida.

Durante todos dias do evento, Tomas estava disponível para uma conversa sobre qualquer coisa.

Claro que tambem estava concentrado, como todos outros, mas aquilo não o impedia de aparecer na página esportiva do diário I, um dos principais jornais de Portugal, como um surfista diferente do resto.

Começa pela aparência, Tomas usa óculos, baixinho como Tom Carroll ou Derek Ho, para usar dois campeões mundiais como medida, discreto, calado, veste-se com algum bom gosto.

Dirigiu um filme e disponibilizou na grande rede, chama-se Simplesmente Decorado – o bom gosto está novamente presente.

Nesse sábado de restinho de verão numa das ilhas mais deslumbrantes do planeta, Tomas Hermes venceu seu primeiro WQS, logo um evento Prime, pulou de 121º para os primeiros 34 do ranking, na frente de gente que tem uma pequena fortuna investida nas costas.

Tomas parece mais preocupado em investir sorrisos.

Seu lucro tem sido invejável.

Matéria: http://hardcore.uol.com.br/18911-azores_pro_tomas_e_campeao